Nara Chaib Mendes debuta no roteiro audiovisual com o longa-metragem “Anna”

julho 21, 2021

Escrito em parceria com Heitor Dhalia, também diretor do filme, atriz e roteirista traz universo real de abusos e silenciamentos no universo teatral

Em cartaz em diversos cinemas pelo Brasil, o longa-metragem “Anna”, escrito por Nara Chaib Mendes e Heitor Dhalia, que também dirige, retrata a obsessão em duas pontas: antagonista e protagonista se mesclam com o mesmo objetivo de perfeição, mas focados cada um em si. A trama, que traz uma remontagem da peça Hamlet, de Shakespeare, apresenta a gana da atriz Anna de viver a renomada Ofélia. Do outro lado, o polêmico e respeitado diretor Arthur, que busca realizar a melhor releitura já vista da obra.

“Ver a história de Anna hoje nos cinemas é uma vitória. É um assunto muito difícil, terrível, porém necessário. Conheci e conversei com muitas Annas, jovens artistas que viveram situações extremamente desestabilizadoras em silêncio, com medo de falar. Espero que o filme, que se propõe a ser um desagradável espelho, ajude as pessoas a identificarem situações abusivas, que jovens artistas saibam que o que Anna vive não é normal. Não pode ser normal. Há muitos caminhos de se fazer arte com alta complexidade e nenhum deles precisa passar pelo abuso físico, psicológico, moral ou sexual”, comenta Nara.

O filme apresenta um renomado diretor que, por muitas vezes, por meio do medo e tantas exigências, impõe respeito aos atores. Pressionado pela produção executiva a fechar o mais breve possível o elenco de Hamlet, deixa seu ego gritar mais alto em busca dos protagonistas perfeitos - que talvez nunca encontre, uma vez que existem apenas dentro dele. Enquanto Anna, uma jovem e tímida atriz causa curiosidade dos colegas quando declara o desejo de interpretar a desafiadora Ofélia e sua paixão doentia pelo príncipe que intitula a peça.

“Um processo artístico muitas vezes pode ser, sim, doloroso, uma vez que precisamos mergulhar e investigar lugares muito profundos da natureza humana. Mas essa dor não deve estar relacionada a um diretor, companheiro de cena ou um preparador de elenco “em nome da arte”. O mergulho é na alma do personagem. Para isso se usa a matéria da vida, a imaginação (o nosso “músculo” mais poderoso), a “bagagem” das próprias vivências, referências sociais e culturais”, reflete a autora. “Na arte (e em nenhum lugar) tem espaço para o abuso. Essa ideia torpe, que por anos serviu de desculpa para abusadores saciarem os seus egos destruindo caminhos de futuras artistas e, infelizmente, por vezes até vidas, precisa acabar. É triste ainda precisar dizer o óbvio. Mas fico feliz por saber que estamos tendo cada vez mais espaço para expor isso. Seguimos fortes, continuaremos até mudar essas estruturas de uma vez por todas. A arte é o local da salvação e não da destruição.”

“Anna” é dirigido por Heitor Dhalia, que também assina o roteiro em parceria com Nara Chaib Mendes. O longa-metragem é uma produção da Paranoid Filmes e tem distribuição da Imovision.

 

Sobre Nara Chaib Mendes

Nara Chaib Mendes, atriz, preparadora de elenco e roteirista. Escreveu o roteiro do filme “ANNA”  em parceria com o diretor Heitor Dhalia.

Formação: CPT/Centro de Pesquisa Teatral de Antunes Filho (2004-2018).

Audiovisual: Séries- Psi (4 temp.) eps 7 e 8 - Pers. “Bete” (HBO), dir. Caroline Leone; “O Caçador”- ep. 7 (Globo); "Carcereiros" ep 10 (2 temp); "O Negócio" ep. 4 (4 temp). Filmes- "Anna", dir. Heitor Dhalia- pers. “Mariana”; "Meu Amigo Hindu" dir. Hector Babenco, pers. “Nurse”; “SP é uma festa”, dir. Vera Egito, pers “Nara”; “Zoom”, dir. Pedro Morelli; Clipe “Moon”, Thiago Pethit, dir. Heitor Dhalia. Teatro- Protagonizou a peça “Marguerite Mon-Amour”, pers. "Marguerite Duras", Dir. Emerson Danesi, coord. de Antunes Filho. Prêt-à-Porter 10 e Prêt-à-Porter 7, no CPT, de Antunes Filho. "A Pedra do Reino", dir. Antunes Filho; "Senhora dos Afogados", dir. Antunes Filho. Performance audiovisual “Tresirmas Soundscape” (“Três Irmãs”, Tchekov), pers. Irina. Dir. Alvise Camozzi. Bacharel em Artes do Corpo, estudou dança, teatro e performance. Deu aulas no CPTzinho de atuação, corpo e voz. Tmb é dramaturga e roteirista, escreveu o filme "Anna" com o diretor Heitor Dhalia, escreveu muitas peças de um ato e atualmente escreve uma série ainda independente. É Preparadora de atores, preparou alguns elencos, entre eles o da série "Carcereiros"(Tv Globo), e da série "Irmandade" (NetFlix) . Apresenta o Canal do YouTube: "Afinal o que somos nós".

 

ANNA

Sinopse:

Um renomado e polêmico diretor de teatro decide montar a peça Hamlet de Shakespeare, após dez anos de uma tentativa fracassada. O fracasso da montagem anterior se deu por conta de conflitos que surgiram nos ensaios, quando o diretor começou a misturar o universo da obra com o de sua vida, ultrapassando o limite entre ficção e realidade numa complexa relação com suas atrizes, que começam a se repetir 10 anos depois com Anna, sua nova Ofélia.
 

Ficha Técnica

Título Original: Anna

Direção: Heitor Dhalia

Roteiro: Nara Chaib Mendes e Heitor Dhalia

Produção: Egisto Betti, Heitor Dhalia

Produtor Associado: Pedro Betti 

Produção Executiva: Fernanda Geraldini

1ºAssistente de Direção: Renata Racy

Direção de Fotografia: Azul Serra

Produção de Elenco: Anna Luiza Paes de Almeida 

Edição: Gustavo Giani, AMC e Fernanda Krumel, AMC

Arte: Dani Vilela 

Figurino: Joana Porto

Maquiagem: Siva Rama Terra

Música: Hilton Raw

Desenho de Som: Martín Grignaschi

Som direto: Jorge Rezende

Coordenação de Pós Produção: Deinha Lopes

Gênero: Drama

País: Brasil

Ano: 2019

Cor

Duração: 106 min.

Classificação: a definir

 

Elenco: Boy Olmi, Bela Leindecker, Gabriela Carneiro da Cunha, Tulio Starling, Nash Laila, Lucas Andrade, Naruana Costa, Gabriela Miziara, Sílvio Restiffe, Giulia Ouro, Nara Chaib Mendes, Carcarah, Carlos Morelli, Eduardo Pelizzari, Artur Maia, Aurea Maranhão, Daniel Aureliano, Daniel Passi, Duda Carvalho, Flow Kountouriotis, Inês Soares Martins, Isamara Castilho, Renan Ferreira, Tainá Medina, Tássia Dur, Vinicius Teixeira. 


 Sobre o diretor  

Diretor e sócio da produtora Paranoid, Heitor Dhalia já em seu primeiro longa- metragem, Nina (2004), ganhou uma menção especial da crítica no Festival de Moscou e o prêmio de fotografia no Festival de Cinema Latino-Americano de Lima. 

Em 2006, dirigiu o filme O Cheiro do Ralo, que participou da seleção oficial do Festival de Sundance, ganhou o prêmio especial do júri, o prêmio da crítica e o de melhor ator no Festival do Rio e, ainda, o Troféu Bandeira Paulista do júri internacional, na 30a Mostra Internacional de São Paulo.  

Com À Deriva (2009), Dhalia participou da Mostra Un Certain Regard do Festival de Cannes do mesmo ano. Em 2011, assinou a direção da produção hollywoodiana Gone, estrelada por Amanda Seyfried. 

Além de dirigir seu longa-metragem Serra Pelada, lançado em 2014, também foi responsável pelo roteiro do filme que contou com Wagner Moura, Sophie Charlotte e Matheus Nachtergaele no elenco. 

Dhalia já ganhou mais de 13 prêmios e foi nominado em mais de 16 indicações em festivais ao redor do mundo. 

Em 2017, lançou o seu primeiro documentário - On Yoga:The Architecture of Peace, que teve sua estreia mundial no Raindance Film Festival e foi selecionado para o Festival Do Rio, Mostra Internacional de São Paulo e Camerimage. 

Em 2018 lançou Tungstênio, adaptação da premiada história em quadrinhos homônima de Marcelo Quintanilha. Atualmente, dirigiu a série Arcanjo Renegado, que se prepara para a segunda temporada, e teve sua estreia no início de 2020 na GloboPlay. Além da série, em 2021, Heitor vai lançar seus novos longas-metragens ANNA e Invisible, produção americana filmada em Nova York.  



 

Sobre a Imovision

 

Presente no Brasil há 30 anos, a Imovision vem se consolidando como uma das maiores incentivadoras do melhor cinema mundial na América latina, tendo lançado mais de 500 filmes no Brasil.

Criada pelo empresário Jean Thomas Bernardini, a distribuidora tem em seu catálogo, realizações de consagrados diretores estrangeiros e brasileiros, e filmes premiados nos mais prestigiados festivais de cinema do mundo, como Cannes, Veneza e Berlim.

Mantendo seu foco em títulos de qualidade, a Imovision fortificou o cinema francês no Brasil e foi a responsável por introduzir cinematografias raras e movimentos internacionais expressivos no país, como o Movimento Dogma 95 e o Cinema Iraniano.


Sobre a Paranoid Filmes

Produtora dos sócios Heitor Dhalia e Egisto Betti desde 2009 no mercado, a Paranoid é reconhecida por grandes projetos audiovisuais. Em 2013 lançou o épico Serra Pelada, dirigido por Heitor Dhalia que fez carreira em diversos festivais. Em 2016 apresentou o primeiro longa de Vera Egito, Amores Urbanos, que foi selecionado para mais de 15 festivais, entre eles o Festival Internacional de Miami e o Festival de Havana, vencendo três prêmios ao redor do mundo incluindo menção honrosa do Júri no FESTIN 2016 (Portugal).  

Em 2017 lançou o primeiro documentário de Heitor Dhalia, Yoga: Arquitetura da Paz, com estreia mundial no Raindance Film Festival. No ano de 2018 lançou Todas as Razões Para Esquecer, longa de estreia de Pedro Coutinho, que fez parte do catálogo da Netflix e foi selecionado para o Festival de Havana, Mostra Internacional de São Paulo e Festival do Rio.   O longa Tungstênio, uma adaptação da premiada história em quadrinhos de Marcello Quintanilha, dirigida por Heitor Dhalia e com Coprodução Globo Filmes, estreou neste mesmo ano nas salas de cinema do Brasil. Em 2020 a série Todxs Nós, produzida pela Paranoid e com direção da Vera Egito e Daniel Ribeiro, teve sua estreia na HBO LATAM. 

Atualmente, a produtora se prepara para lançar o longa-metragem Anna, também dirigido por Dhalia e Doutor Gama, com direção de Jeferson De. Além disso a Paranoid está em fase de desenvolvimento de projetos com os principais players que atuam no mercado audiovisual brasileiro, como Netflix, Warner, Paris Filmes, HBO, Disney e Globo Play. 


Você poderá gostar também

0 comentários

Deixe sua opinião sobre o post: Não esqueça de curtir e compartilhar

@persephonevanessamaria

Subscribe