Ansiedade é uma das principais responsáveis pelos distúrbios alimentares

agosto 02, 2020

Transtorno emocional pode levar à obesidade e também ser a causa da perda de peso anormal


Ansiedade é uma denominação comum para definir diversas sensações. Entre elas estão: medo, angústia, nervosismo, apreensão, insegurança e preocupação. O transtorno pode levar a dois extremos – a vontade exagerada de comer ou a perda total do apetite.

Segundo a psicóloga Ana Beatriz Cintra, que tem como uma de suas especialidades o tratamento de distúrbios alimentares, algumas condições emocionais acabam provocando uma disfunção hormonal e consequentemente maior consumo de alimentos. “A ansiedade, nesse sentido, fará a pessoa comer compulsivamente na tentativa de aliviar a tensão ou extinguir a sensação que a faz sofrer. Além disso, também provoca resistência à leptina, hormônio da saciedade, causando mais fome”, explica.

A psicóloga ainda afirma que o modo que cada indivíduo se relaciona com a comida é único e deve ser analisado. “Ter consciência do papel que o alimento tem na vida e o espaço destinado a ele poderá possibilitar mudanças nessa relação e ajudar na reconciliação com o corpo, até então rejeitado e agredido, reflexo de um processo interior envolto em conflitos.”

Em contrapartida, há quem perca totalmente o apetite se exposto à situações estressantes ou que causem ansiedade. “Aqui a pessoa paralisa, trava. Não só perde a vontade de comer, mas também de realizar ações cotidianas como atividades físicas ou trabalhar. O efeito é inverso ao do compulsivo alimentar. Muitos dias sem comer poderá causar a perda de peso. A falta de alimentação correta e saudável também provoca disfunções metabólicas, impedindo, por exemplo, a produção de neurotransmissores importantes para a sensação de bem-estar como a dopamina e a serotonina. A baixa de melatonina trará insônia. É preciso ficar atento”, orienta Ana Beatriz Cintra.

As recomendações para tratar distúrbios alimentares causados pela ansiedade são simples e podem ser facilmente seguidas. A psicóloga orienta, inicialmente, a busca pelo autoconhecimento. “Se conhecer e saber o que causa a angústia e o medo é a minha primeira sugestão. Às vezes isso não é possível sozinho; a pessoa está tão frágil e desamparada, absorvida por medos, que precisará de ajuda profissional. Mas só de reconhecer que há um problema - e buscar tratamento - já é um tremendo avanço. O abismo, às vezes, só tem meio metro de altura. O autoconhecimento trará mais confiança e autoestima para encarar os desafios cotidianos da vida”, finaliza Ana Beatriz Cintra.

Você poderá gostar também

0 comentários

Deixe sua opinião sobre o post: Não esqueça de curtir e compartilhar

@persephonevanessamaria

Subscribe