Prata é o novo preto, livro de estreia de Luelyn Jockymann, traz contos de ficção científica

agosto 03, 2020

ontos trazem realidades distópicas com questionamentos atuais da humanidade; autora bebeu da fonte de diversos autores das antologias sci-fi americanas dos anos 50 e 60 

A jornalista e médica veterinária Luelyn Jockymann lança, em julho de 2020, seu primeiro livro, Prata é o novo preto, pela editora Age. São oito contos curtos de ficção científica com narrativas de realidades distópicas que confrontam o passado com o futuro, o ser humano com a máquina, o real com o irreal, convidando o leitor a explorar acontecimentos e questionamentos atuais, num texto leve e criativo. O livro já está disponível para compra nas principais livrarias online e no site www.luelynjockymann.com.
 
Os contos trazem temas como: a improvável humanidade de androides e suas consequências emocionais – para o bem e o mal (conto O primeiro livro, em que o robô se chama D4QP, numa brincadeira com o número e letras seguintes ao personagem C3PO, de Star Wars); uma possível limitação de idade dos humanos imposta por um robô que se torna a “matrix” de toda a vivência e saúde da humanidade (O juramento de Hipócrates) e a tão vislumbrada colonização de outros planetas (Base Lunar Golf). 
 
Com forte inspiração nas antologias americanas da década de 50 e 60, a chamada “era de ouro da ficção científica”, além de uma leitura cativante, os contos oferecem aprendizado e informação histórica, com diversas referências à ciência, figuras ilustres da Grécia antiga, passagens bíblicas, medicina e outras.
 
Luelyn Jockymann conta que seu desejo de escrever contos surgiu de vários sinais que a vida lhe tem dado desde a infância. Para começar, seu pai, o jornalista, comunicador e renomado escritor gaúcho Sergio Jockymann, tinha uma biblioteca de 15 mil volumes. Entre eles, diversas obras de ficção científica de autores como Kurt Vonnegut, Isaac Asimov, Arthur C. Clarke, Ray Bradbury, Robert A. Heinlein e Ursula LeGuin. A menina Luelynpegava e se aventurava pelos textos que a transportavam para outros locais e tempos. A paixão pela narrativa do fantástico começou na biblioteca do seu pai. Mesmo nos primeiros anos de escola já se destacava pelo talento na escrita. 
 
Ao ter de decidir sua profissão aos 16 anos, escolheu a faculdade de jornalismo. Como diz, “Acho que confundi um pouco o amor pela escrita com jornalismo. Eu era muito jovem, tinha 16 anos e tive de decidir entre ser veterinária, jornalista ou astronauta”. Depois de formada em jornalismo e desestimulada a seguir escrevendo, Jockymann seguiu para o rumo da medicina veterinária. Hoje é uma referência em comportamento de cães e gatos, com atendimentos em São Paulo e no Rio Grande do Sul. Na época do mestrado em Ciências da Saúde, finalizado em 2018, se sentiu muito limitada a não poder escrever com a imaginação solta. 
 
Experimentou uma inquietude cada vez mais presente para colocar na folha branca palavras que viessem tão somente de sua imaginação. Em 2017, participou de um grupo online de leitura e foi impelida a escrever um conto, que veio a se tornar o primeiro de Prata é o novo preto. A partir daí veio outro, outro, e muitos mais seguiram. No início deste ano, às vésperas do início da quarentena motivada pelo novo coronavírus, Luelyn estava com os exemplares de seu livro prontos em sua mesa de trabalho. O lançamento, num momento tão excepcional, merece a mesma estratégia de qualquer história de ficção científica: muito esforço, inovação e improvisação. Por isso, além do livro digital e da possibilidade de encomendas dos livro físico pela internet, a autora programa lançamento presencial para setembro, começando em São Paulo, Campinas, onde morou por 19 anos, e Porto Alegre, sua cidade natal.
 
Confira abaixo trechos do livro:
Terra. Terceiro planeta a partir do Sol. Localizado no Sistema Solar, em um braço espiral de Orion, dentro da Via Láctea, que faz parte do grupo local, composto por outras 47 galáxias pertencentes ao Superaglomera- do de Virgem, que fica no que chamamos de Universo. Olhe para o céu à noite e veja aquele monte de luzinhas brilhantes para entender melhor onde estamos. Se estiver viajando em algum outro lugar do espaço e precisar pe- gar um táxi, vai ter de passar o endereço acima para voltar para casa. 
 Trecho do conto Fora da Terra
 
 
 
Ao trabalhar durante tantos anos, tratando e curando pacientes, realizando cirurgias, prescrevendo, criando medicamentos, conseguimos chegar a uma importante conclusão: o ser humano não deve viver mais do que 75 anos. A partir dessa idade, os que conseguem atingi-la começam a decair de uma forma vertiginosa, tanto física, como psicologicamente. Apesar de termos conseguido aumentar a expectativa de vida, chegamos a um impasse. Quem escapou do câncer, provavelmente desenvolverá um. Se não for isso, será algum tipo de demência. Então, essa pessoa, como um dia foi, não existirá mais. Começará a sofrer não só dores, que podem ou não ser controladas por medicamentos, como também irá perder memória e a capacidade cognitiva. Isso faz com que a sociedade e a própria família as segreguem. Não existe necessidade de passar dessa faixa etária. 
Trecho do conto O juramento de Hipócrates

Sobre Luelyn Jockymann - Nascida em Porto Alegre, Luelyn Jockymann fez jornalismo na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, é médica veterinária pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e mestre em Ciências da Saúde, com ênfase em Ginecologia e Obstetrícia, na Faculdade de Medicina da UFRGS. Fez estágio na Clínica de Comportamento Animal do Hospital Veterinário da Cornell University em Ithaca, no estado de Nova York (EUA) e teve uma clínica veterinária por 11 anos na cidade de Campinas (SP) São Paulo. Da carreira veterinária nos últimos anos, sobretudo por seu mestrado, Jockymann diz que ganhou um repertório das Ciências bastante denso, que traz para muitos dos textos ficcionais que escreve. É colaboradora eventual das revistas Pulo do gato, Pequenos Cães, Cães e Cia, Meu Pet e afins, com artigos relacionados a problemas de comportamento de pequenos animais. E, segundo ela mesma, é “escritora e cronista desde que aprendeu a ler e escrever”.
 
Ficha técnica
Nome: Prata é o novo preto
Autora: Luelyn Jockymann
Número de páginas: 159
Preço: R$ 42,00
Editora: AGE
Link para compra: www.luelynjockymann.com
ISBN: 9786599011245

Você poderá gostar também

0 comentários

Deixe sua opinião sobre o post: Não esqueça de curtir e compartilhar

@persephonevanessamaria

Subscribe